16 de set de 2012

migalhas.

estive relendo trilogia suja de havana e encontrando coisas maravilhosas que não havia encontrado antes. comecei a me lembrar da primeira vez que li gutierréz e do quanto o achei asqueroso e pretensioso. lembrei de mim mesma, falando mal do rei de havana pra amigas que adoraram as cenas de amor, descritas com odor de bunda suja, ralo e mofo. me lembrei da outra amiga, que chegou a trocar e-mails com o autor, por algum motivo, e me dizia "eu também não gostei de primeira, mas dá uma segunda chance. você vai gostar, eu tenho certeza". ela sempre tinha. eu dei uma segunda chance e agora me entrego à literatura e um amor por cuba que não tem explicação. já contei dos meus planos de ir a cuba?

dou pequenas risadas quando leio, nas orelhas, a comparação com a literatura beat, mas quem sou eu pra dizer alguma coisa. tenho esse medo imenso de ser esnobe e arrogante. mas eu sei que, em vários momentos, eu sou esnobe e arrogante. sempre que olho pra trás, eu vejo uns traços. e tenho um gosto amargo quando vejo que poderia fazer algumas coisas bem legais se me apegasse apenas à leveza. poderia estar com o blog motherock ainda, por exemplo. o melhor título que fui capaz pensar até hoje (só anos mais tarde fui descobrir que há uma banda espanhola com esse nome).

fico pensando como será quando me apegar apenas à leveza.
espero não ser tarde demais.