3 de ago de 2014

365 dias de autran.

com alguns dias de atraso, venho comemorar publicamente o aniversário do meu filho.
autran fez um ano, no último dia 26.


e que delícia de um ano!
acho que nunca havia passado por um processo de mudança tão grande quanto o do último ano. acho que nem com a luana foi assim. autran chegou me mostrando que bebê bom não é sinônimo de bebê quieto, que existe uma coisa no mundo chamada "bebê high need" e que eu fui agraciada com um. autran me mostrou todo um mundo paralelo chamado maternidade ativa, e que mergulhar nele uma vez é nunca mais sair.
autran me mostrou o mundo das fraldas de pano, do sling, da amamentação prolongada, da criação com apego, do BLW, de montessori... tantas certezas absolutas caíram por terra, me mostrando que nunca é tarde para mudar. que informação pode salvar vidas.

nesse ano, decidi não fazer festa.
por meses fiquei debatendo comigo mesma, pensando nos prós e contras. conversando com pessoas que adoram a ideia, com pessoas que nem tanto. cheguei a seguinte conclusão de que o primeiro ano do bebê deve ser comemorado sim, deve ser lembrado, registrado, dado sua devida importância. tudo isso, da forma que a família entender. se for um jantar para parentes e amigos próximos, uma saída para um restaurante, um pizzaria, um passeio, uma festa de buffet. tanto faz. o primeiro ano é para a família comemorar os turbulentos e intensos 12 meses.
acredito que depois dos dois anos o bebê entende bem o conceito de festa, o objetivo e finalidade.

sendo assim, resolvi fazer uma coisa bem simbólica e minha.
com uma receita de bolo de cenoura natureba nas mãos, fiz pequenos cupcakes e deixei o autran devorar da única forma que tem devorado tudo o que lhe é posto na frente: com as mãos. foram fotos deliciosas, tiradas com meu celular mesmo.
uma receita feita pelas minhas mãos, na tranquilidade do nosso lar, num momento íntimo e acolhedor.
e foi lindo, pra mim. que estou há um ano sem dormir uma noite toda, que estou há um ano lendo e aprendendo incansavelmente, que estou há um ano procurando sempre melhorar em alguma coisa.


cada filho que chega, a gente descobre uma lacuna, a qual não sabia que existia e precisa ser preenchida.
parece que nunca mais vamos conseguir viver sem ser imersa num amor que nem sei da onde surge. e nos perguntamos como conseguimos chegar até ali sem ter isso antes.
ter um filho e mágico, transformador.

ter um filho fazendo um ano é de uma sensação de que a qualquer momento vou explodir de encanto.