4 de out de 2013

autran's happy place.

algumas semanas depois que eu fiquei grávida, eu comprei um sling em uma loja virtual.
comprei um vermelho, cor que eu adoro, com um bolso listrado. charmosíssimo. alegre. não importava se era menino ou menina, eu carregaria meu caçulinha num sling vermelho.

muito manual de instruções, vídeos, estudo, testes com bonecas e saco de arroz. com mais ou menos 20 dias de vida, o autran e eu testamos o sling.
e foi um desastre.

não sei o que fazia de errado. as argolas desciam, o tecido embolava, o autran chorava loucamente.
todo dia eu tentava um pouquinho, até que em uma tentativa, ele ficou quietinho imediatamente após eu fazer os ajustes. agi normalmente e fui estender roupa. ele acabou dormindo. acordou, mamou no sling mesmo e dormiu de novo.
depois desse dia, ele passou a aceitar o sling muito bem.

sempre esperei muito o momento de sair na rua com ele penduradinho.
saí uma vez, mas era domingo, a rua deserta. e ele dormiu em menos de um quarteirão de caminhada.
em nenhuma outra saída cheguei a precisar por o sling.

de uns tempos pra cá, percebi que ele já não ficava tão tranquilo na clássica posição para recém-nascido. ele está com as perninhas cada vez mais fortes, as estica e dificulta muito o ajuste, a posição e acaba deixando tudo bem cagado.

bom, toda essa ladainha pra contar que hoje testei uma nova posição. sentadinho, de frente pro mundo. apesar dela ser indicada só pra depois do 3º mês, por aqui deu muito certo, pois o autran sustenta bem a cabeça desde o primeiro mês (SÉRIO).
eu, particularmente, adorei. é mais fácil de por, mais confortável, mais livre. o bebê vê o mundo, fica numa posição muito parecida com a que ficava dentro do útero - por mais que pareça horrível, eles curtem quando imitamos o ambiente uterino.
autran também aprovou. não chorou, nem se esticou, nem ficou resmungando. dormiu após algumas andadas pela casa.

aproveitei a empolgação e fui com a família pro supermercado.
era minha (nossa) primeira grande aparição em público naquele pano.
sempre li as meninas contando histórias sobre as reações das pessoas ao verem eles apertadinhos, quietinhos, pendurados naquela faixa que, pra quem nunca viu, parece perigosíssima.
era a minha vez de encarar aquilo. e olha... não é agradável. há pessoas que sequer disfarçam. olham fixamente, param do seu lado. há os ousados que comentam, que apontam.
uma senhora achou lindo, mas demonstrou verbalmente sua angústia daquilo ser desconfortável. minha resposta foi clássica: "se fosse, ele não tava quietinho assim".

já havia levado ele no colo naquele mesmo supermercado. não ficou 3 minutos na cadeirinha do carrinho de compras. no colo, ficou irritado e chorou. uma moça me sugeriu deitá-lo de bruço nos braços, pois "alivia as cólicas" (incrível que como pros outros todo choro do bebê é cólica... mas não, não é). em menos de 10 minutos, tive que ir pro carro dar peito para acalmá-lo. moisa e luana que terminaram as compras.
dessa vez, com o sling, nenhum choro, nenhum resmungo. bebê silencioso e atento no saquinho de carregar bebês.

ou como eu costumo dizer, o melhor lugar do mundo.

só falta as pessoas se acostumarem com isso.


no primeiro teste, ainda meio mal colocado.
e (eu) com roupa (cabelo, cara, etc) de ficar em casa