16 de fev de 2013

da série: perguntas cretinas.

eu sei que as pessoas não as fazem por querer. ás vezes não pensam muito antes de perguntar e acaba saindo coisas assim.

mas, primeiro, eu tenho que falar sobre a nova tatuagem.
fui ousada, confesso. a primeira foi só pra saber como era sentir a agulha entrando e pintando a pele. o desenho foi num impulso de "own que fofo" e o plano era legal: alusão a uma piadinha interna familiar - foi desenhando pela irmã caçula e seria feito por nós três. a segunda foi outra por impulso de "own que fofo" e pequena, pelo orçamento apertado: aspas nos dois pulsos.
a terceira eu planejei melhor. estudei desenhos, detalhes e cores com a tatuadora. medi o tamanho ideal (hoje penso que poderia ser maior) e paguei em duas vezes.
grande. colorida. no peito.


não se engane, o sorriso é de dor e desespero hah

as pessoas se chocam, desviam o olhar enquanto conversam comigo, minha mãe ainda não se conforma.

e um dia estava eu, num restaurante revendo semi-conhecidos que me parabenizavam pela gravidez como se fôssemos melhores amigos. coincidentemente, vestia a regata que mais exibe o desenho.

de repente, a pergunta: "mas seu bebê não vai se assustar com a tatuagem?"
:s