9 de jun de 2009

de mim, para mim mesma.

quando eu cai, e beijei o chão, vi em seus olhos algum brilho de prazer. rastejei por algum tempo. entenda, isso foi muito bom pra mim.
pude encarar minhas verdades de frente, pude ver o quanto posso errar, falhar e ver que pode ser muito natural.

você é covarde demais pra entender o quanto é intenso.
agora todos os extremos e insistir que o erro é dos outros.

você devia vagar sozinho por aí e pela escuridão. e perceber, realmente ver que existir é muito mais.
ainda me sinto tão cansado... mas sei, sou muito mais forte.
já sei o que é estar só.
estou pronto pra me levantar, e caminhar em sua direção.

você é covarde demais pra entender o quanto é intenso.
sei o que é o fel e o mel. ao contrario do que pensa você.

sim, você ainda pode me vencer. mas você sabe que não vou desistir.
já provei do sangue em minha face.
a dor, já faz parte do total.


o tempo já não me importa mais.
pois ainda estou aqui.
eu ainda estou aqui.

aceite, estou aqui.

(a música aqui.)